As energias do Outono

OLHEI PRA MIM..
FUI ME VER..
COMPREENDER, DEIXAR MORRER!
MINHAS FOLHAS VÃO CAIR..
ME NUTRIR..
SOMBRAS VIRÃO..
NO ESCURO DORMIREI..
PARA RENASCER..
VIDA VIVA, SEMENTE PARIDA E FLORESCIDA NO MEU CHÃO!

É quando as folhas caem e enfeitam o chão, é a hora de deixar morrer!
A natureza em sua perfeição, onde nada é parado e tudo está em constante transformação.
Nesse ambiente, as sementes irão cair, enquanto as folhas se decompõem e se tornam adubo, no escuro da terra,
elas esperam o momento de romper a casca, simbolicamente vão para o útero da Mãe Terra.

Veja que toda a natureza se prepara para o inverno, a ursa agora se alimenta de tudo que pode comer, para então
entrar em sua caverna escura e sair na primavera, quando a natureza retorna à vida.
Na roda medicinal é o Portal do Oeste.
Assim como a natureza, nós vivemos o outono.
Note que ficamos mais quietos, sentimos mais sono, comemos mais.
A Terra é o elemento desta estação, e simboliza o corpo físico, e por isso sentimos na pele tantas sensações e
passamos por mudanças.

Neste lugar, podemos nos libertar de padrões, atitudes, vícios, crenças, sentimentos egoístas, é o lidar com as
nossas sombras, lugares ocultos que evitamos olhar, compreender e ressignificar, as sombras são virtudes a serem
iluminadas, sementes de talentos que podemos brotar e frutificar.
Vamos olhar pra dentro de nós, deixar morrer o que já não faz mais sentido, avaliamos o aprendizado de nossas
experiências, das nossas intenções, vamos digeri-las assim com a Ursa em sua caverna, na escuridão.
Sendo assim, nossas folhas secas e mortas vão cair, junto com elas as sementes, morrendo e ao mesmo tempo
adubando o nosso solo.

Passamos por 3 ciclos lunares, de 21 março à 19 abril, a lua do outono, logo após o Equinócio, de 20 abril à 20
maio, a lua da última colheita, onde colhemos os últimos frutos do que plantamos, e de 21 maio à 20 junho, a lua das
noites longas, que antecede a entrada do inverno, onde os dias serão mais curtos que a noite.
O outono tem a energia feminina.
Agora é a época certa de honrar os nossos ancestrais, aqueles que já partiram para o outro plano.
É o momento de transformação, traz a introspecção, uma pausa reflexiva antes do novo ciclo, o descanso da terra
para um novo plantio..

Baseia se na mudança e na transição.
Morrer para nascer um novo começo.
Morrer as sombras para nascer a Luz!
É isso que a morte significa!
O oeste é o lugar dos sonhos e visões sobre o futuro, e no outono podemos consolidar, porque o crescimento e a
preparação para a renovação começa.
E assim nos vemos de frente com abundância desse portal, que é comparado ao sombrio, traz a energia do
crepúsculo, traz as nossas sombras à tona para serem transcendidas, e que também é o lugar da transição para
uma nova vida, reavaliar tudo que fizemos, tecer novos planos, para frutificarem e assim entrar na fluidez da vida,
vivendo com sabedoria e o entendimento de que tudo muda, e a natureza em sua perfeição, é nossa aliada e nossa
Grande Mestra.

Ao adentrar esse espaço, o útero, somos nutridos, para sermos concebidos.
Morremos para o velho e nascemos para o novo.
Morte e vida, um eterno ciclo.
Os ensinos do xamanismo nos conduzem à evoluir espiritualmente, como pessoa e REALIZARMOS a nossa missão
aqui na terra com propósito.
Bem vindo ao Novo Mundo, por todas as nossas relações!
Mitakuye Oyasin!

Texto por Deborah JaJo: Terapeuta de Thetahealing e Reiki, Musicista, Compositora, Cantora da Banda Saravashivaya, Proprietária da @ganga.clothing, Estudante e Praticante dos Saberes Femininos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *